quarta-feira, novembro 07, 2007

Trabalhar muito...


Não me custa trabalhar. A sério que não. Nos últimos anos, não me lembro de ter de facto trabalhado em algo de que não gostasse. É uma sensação incrível adquirir conhecimento, construir qualquer coisa! A excelência numa matéria ou numa capacidade é tão boa de sentir!...

Mas parte da diversão é poder mostrar. Quer para nos capacitarmos de que sabemos (e sabe bem saber!), quer porque gostávamos que os outros se entusiasmassem como nós.

Portanto frustrante é não podermos mostrá-lo. Quer seja porque outros nos impõem as suas falhas ou nos atacam com as suas próprias frustrações (desde amigas que o fazem sem intenção a professores intransigentes e pouco razoáveis), quer seja porque nós próprios falhámos, muitas vezes somos impedidos de mostrar que sabemos, de partilhar o entusiasmo que temos e de ser reconhecidos pelo trabalho que tivemos.

Não me custa trabalhar. Aquilo de que abdico a favor deste objectivo é muito mas está, por assim dizer, contabilizado. Mas custa muito ver uma parte importante desse trabalho desaparecer. Custa muito trabalhar e não mostrar a ninguém. É injusto que não nos reconheçam o direito de ter algo a dizer.

É como pôr todo o empenho em escrever um livro e nunca o publicar. Soube bem e construiu-nos mas nunca mais ninguém o leu. =/

4 comentários:

teresa disse...

Eu ca gostei muito de ver a tua apresentaçao! Pelo menos a mim ensinaste-me qualquer coisa :)

Cate disse...

eu gosto de ler o que escreves!

Tininha* disse...

Honey... Como te percebo...
Mas aprendemos muito e isso por si so compensou... E um prazer enorme trabalhar contigo!!

Beijinho*

Catarina Marrana disse...

Oh baby*
O que vale é que quanto a esses sentimentos, posso te garantir, que não os vivências sozinha. Percebo-te e sei a que sabe essa "frustraçãozinha", mas se ultrapassamos, no passado, aqueles "cala-te"; "errado!"; "vocês nao sabem nada"; ou "sao burros!" do myagui, também conseguimos engolir bem esta situação proporcionada, especialmente, por um gordo rebarbado cujos pêlos do nariz se entrecruzavam cá fora de um modo pouco subtil :P
Só para que saibas, e caso te anime, ha quem saiba apreciar o teu "trabalho" e valorizá-lo. Eu admiro-o. Admiro o teu trabalho quer a nível professional, quer a nível de construção de valores pessoais, quer a nível de construção de relaçoes interpessoais (admiro especialmente aquela tolerancia que tens, ultimamente, para ouvires os meus mini-dramas).
Oh baby, i like u *