segunda-feira, abril 10, 2006

As "curtes"

Não é estranho a qualquer jovem, ou adulto honesto que se lembre do que é ser jovem, o conceito de "curte", ainda que em outros tempos não se chamasse assim. A ideia de uma relação que dura pouco, uma noite mesmo, livre de compromissos e certezas, torna-se apelativa a muitos e repugnante para outros. A minha ideia é relativizar as coisas.
Pessoalmente, acho ultrajante e pouco digno do ser humano ceder a impulsos meramente físicos e portanto muito mais animais do que espirituais, logo a ideia de "comer uma gaja(o)" numa discoteca quando se sai à noite só porque é "mesmo boa (bom)" causa-me repulsa.
Mas na minha recusa encontro um tipo de curtes, chamemos-lhe assim, que não só contribuem para um melhor auto-conhecimento como para o estabelecimento de relações mais saudáveis. A "curte" que se estabelece entre duas pessoas que sentem uma determinada ligação emocional mas na qual não identificam futuro com certeza é definitivamente saudável. A segurança de não se estarem a comprometer ao ir dando pequenos passos, permite às pessoas irem-se apercebendo do que sentem aos poucos e construirem a relação devagar. Ou seja, nada melhor numa fase como a adolescência em que poucos são os que sabem o que querem da vida. Constrói personalidade, não assusta... Além de que a lisonja nos eleva a auto-estima, todos sabemos disso!
Mesmo assim mantenho as minhas reservas. No entanto, são reservas que não são inerentes às "curtes" mas sim às relações em geral. Há quem diga que quem "curte" não é honesto ou está a ser cobarde. Não concordo. Isto partindo do princípio que é claro para ambos a natureza da "experiência" (basta um estar "enganado" para resultar na maior barraca!). Há também quem diga que o perigo que acarreta é demasiado grande e que nao se brinca com sentimentos. Mas o que fazemos nós a vida toda? Corremos riscos, tentamos e falhamos, e errando evoluimos e à partida tudo o que fazemos tentamos fazer bem, certo?...

9 comentários:

nhi disse...

Certo, mas às vezes uma curte sabe bem, suponho :X Mas também, quem sou eu para falar, eu também que nunca fui muito entusiastica em relação a isso :X

Filipa Costa disse...

Bem Cláudia, bom blog sim senhora :) e em relação às curtes não podias tar mais correcta... é na incerteza e na insegurança que se baseiam a maior parte delas... é quem não sabe precisamente o que quer, que se envolve sem sequer pensar... curtes saudaveis realmente existem, mas só qd existe nem que seja uma mera ligação sentimental entre as duas pessoas... e sim, é verdade, a vida é feita de aventuras e desaventuras, riscos e incertezas... :)
beijinhos
Filipa :)

mt + e o k nos une k akilo k nos separa disse...

gt da maneira cm escreves!=p e sabs k sou uma acerrima opositora d "sair e comer um gajo" so pk sim... so pk os outros o fazem... as tts axo k s o fizerms smp deixams d aproveitar os momentos bons em k tams c alguem especial!=) enfim... mais um blog pa mnh lista e mais um sitio onde posso aprender sobre kem o escreve!=) bjinho clauxi

André disse...

Fui eu que lhe disse isso!
Esta rapariga n tem remédio :( e mais! não a sigam porque ela é perigosa !

Agora mais a sério , bons artigos e excelente blog!

Keep it up!

bjs

tintin disse...

grande texto sim senhora!
aprovo e concordo em demasia com ele.
tenhu vontade e saudade d vos xatear mais x! beijinhu *

margarida disse...

Achas "ultrajante e pouco digno do ser humano ceder a impulsos meramente físicos" então e tudo o que fazemos para satisfazer o nosso corpo? comer, beber, dormir, curtir...temos desejos sexuais que podem ser transmitidos para outras pessoas. A única coisa nas "curtes" que parece estar errada é o facto de sem sabermos exactamente o que o outro deseja de nós e do nosso corpo nos podemos sentir mal, e como temos noção desses possíveis sentimentos, não queremos prejudicar alguém ou a nós assim. Não há mal nenhum em sentirmos desejos d "curtes". Faz parte do ser humano. Afinal em qq relação nunca sabemos exactamente o que o outro espera de nós...mas como somos seres sociais, queremos necessariamente partilhar o que sentimos e sentir o mesmo que os outros.
Não digo que é errado ou certo, faz simplesmente parte do ser humano tudo isto, mas não se pode nuncA generalizar "curtes"...tudo são relações entre pessoas, em que podemos ter + ou - atenção a nós proprios e as nossas escolhas e aos sentimentos dos outros. penso q a mensagem q qeres passar é simplesmente "não façam sofrer desnecessariamente, olhem bem para voces próprios e pensem no que fazem..."

(fala fala...=X) :P beijinho gosto d ti =)

Dani disse...

concordo com algumas coisas...lol


bjs



D.N

Eduardo disse...

Concordo plenamente com a margarida. Na minha modesta opinião, a vida não se resumo a impulsos sentimentais, digamos assim.
Como animais que somos temos desejos carnais!

Cate disse...

tu e a margarida querem é festa! o peeps sabe controlar os "desejos carnais" suponho..